quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Avança a caminhada agroecológica pelo Brasil

ERÊ Sudeste é o primeiro de cinco encontros regionais preparatórios ao IV ENA

Para combinar com o início da primavera, o mês de outubro em Belo Horizonte floresce com a mobilização em torno da agroecologia e da agricultura urbana trazida pelo ERÊ – o Encontro Regional Sudeste de Agroecologia. A expectativa é reunir cerca de 300 pessoas, entre as quais agricultoras/es familiares e urbanas/os, povos tradicionais, movimentos sociais, organizações da sociedade civil, estudantes e técnicas/os, dos 4 estados do sudeste, além de representantes de outras regiões do país.

O ERÊ e o Festival Estadual de Arte e Cultura da Reforma Agrária

O ERÊ acontecerá em confluência com o Festival Estadual de Arte e Cultura da Reforma Agrária, realizado pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), entre os dias 6 a 8 de outubro de 2017. As atividades acontecerão em formato de constelação, em espaços em torno da Praça da Estação: Centro de Referência da Juventude (CRJ), Centro Público de Economia Solidária (CEPES), Serraria Souza Pinto e o famoso Viaduto de Santa Tereza.

O Encontro Regional irá reunir sujeitos ligados às experiências agroecológicas e outras práticas de resistência da região metropolitana de BH, de Minas Gerais e dos estados do sudeste. O intuito é potencializar a atuação nessa rede de Organizações, Movimentos, Grupos e Núcleos de Agroecologia para a construção do IV ENA – Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), que acontecerá em 2018, também na capital.

Como atividades de destaque do ERÊ estão as vivências em diversas experiências de agroecologia e em outras iniciativas populares de resistência na RMBH; as plenárias; rodas de conversa sobre os temas mobilizadores do movimento agroecológico; e um conjunto de ações culturais e pedagógicas que acontecerá de baixo do viaduto de Santa Tereza na manhã de domingo.

Alimentar a luta, cultivar a arte! Este é o lema que, a partir do dia 2 de setembro, vai conquistar sete regiões do estado e a capital no Circuito Mineiro de Arte e Cultura da Reforma Agrária, do MST.

O Festival Estadual será realizado em Belo Horizonte, na Serraria Souza Pinto, reeditando o sucesso do Festival Nacional realizado em julho do ano passado. Entre os dias 6 e 8 de outubro a capital receberá cerca de mil sem terras, que trabalharão na realização do evento. A Feira Alvimar Ribeiro deverá trazer 110 toneladas de alimentos para comercialização. Já o palco Vander Lee receberá cerca de 80 artistas entre cantadores, corais, teatro e diversas manifestações da cultura popular mineira.

“O trabalho com a cultura é resultado de três décadas de organização e aprendizado do movimento. Aprendemos em nossa trajetória a Reforma Agrária não se faz sem o apoio das cidades, ainda mais em tempos de golpe no Brasil, em que esse governo ilegítimo paralisou todas as políticas para o campo e quer entregar nossas terras ao capital financeiro internacional, legalizando inclusive a venda de lotes. O MST não admite isso. Também assumimos o compromisso de alimentar a população, sem o uso de agrotóxicos, coisa que o agronegócio é incapaz de fazer. Então, o circuito é a forma que encontramos de colocar esse debate para a sociedade”, contextualiza Ênio Bohnenberger, da direção Nacional do MST.

O ERÊ e o Festival Estadual de Arte de Cultura da Reforma Agrária têm seu principal momento de encontro durante a Conferência sobre Alimentação Saudável, batizada de Silvino Gouveia, a ser realizada na manhã de sábado (07/10), que contará com a presença de figuras renomadas nacionalmente que estudam e trabalham com o tema na área das ciências, da cultura e da luta política.

Ao fortalecer sinergias entre o Festival e o ERÊ, espera-se que o processo preparatório do IV ENA tenha a arte e a cultura como um dos pilares e que as demais regiões do país possam construir caminhos que potencializem agendas e ocupem as cidades com o debate da agroecologia e da luta pela democracia.

IV ENA: Agroecologia e Democracia unindo campo e cidade

Em sua quarta edição, o Encontro Nacional de Agroecologia (ENA), coordenado pela Articulação Nacional de Agroecologia (ANA), irá reunir cerca de 2000 pessoas, em Belo Horizonte, entre os dias 31 de maio a 03 de junho de 2018.

A ANA é um espaço de interação e convergência entre movimentos, redes e organizações da sociedade civil engajados em experiências de promoção da agroecologia. Atualmente, a ANA articula vinte e três redes estaduais e regionais, que reúnem milhares de grupos, coletivos, associações, cooperativas e organizações não governamentais em todo o país, além de quinze movimentos sociais de abrangência nacional.

Sustentado no lema “Agroecologia e Democracia unindo campo e cidade”, o ENA pretende construir convergências com os processos de luta no enfrentamento ao golpe e em defesa da democracia e dos direitos. Reforçando que sem Democracia não será possível cultivar e consumir alimentos saudáveis e isento de injustiças.

A realização do ENA em uma capital reafirma a necessidade de ampliarmos o diálogo e apontarmos novas conexões entre o campo e a cidade, fortalecermos os encontros entre as diferentes culturas e darmos visibilidade às experiências de agroecologia e de resistência ao grande capital, que acontecem no campo e na cidade.

Ação em Rede: Esperança e Resistência floresce no Sudeste

Inspirado na esperança, na resistência e na alegria das crianças, o ERÊ Sudeste desabrocha em Belo Horizonte um processo de construção coletiva que ganhará as ruas, estradas e trilhas pelas cinco regiões do país!

A mobilização para participação no ERÊ está se dando via as redes estaduais de Agroecologia: Articulação Mineira de Agroecologia (AMA), Articulação Capixaba de Agroecologia (ACA), a Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ) e a Articulação Paulista de Agroecologia (APA). As atividades previstas para o domingo, 08/10, são abertas ao público e acontecem a partir de 10hs, de baixo do Viaduto Santa Tereza. Participem!

As atividades do Festival Estadual de Arte e Cultura da Reforma Agrária são abertas ao público e acontecem entre os dias 06 a 08 de outubro, na Serraria Souza Pinto.

Serviço
Evento: Encontro Regional Sudeste de Agroecologia – ERÊ
Data: 6 a 8 de outubro de 2017
Horário: manhã, tarde e noite
Local: Centro de Referência da Juventude (CRJ), Centro Público de Economia Solidária (CEPES), Viaduto de Santa Tereza e Serraria Souza Pinto.
Contato: 31 99913-3952 ou 3421-4172 (Danúbia Gardênia)


sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Mais de 70 brindes foram distribuídos pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais

O Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Porteirinha não tem poupado esforços para agradar os seus associados. Além de possuir uma atuação de referência em toda região, executar diversos projetos, buscar inúmeras melhorias e implementações para o povo do campo, todo final de ano, o STR realiza um grande sorteio para beneficiar os sócios que estão em dia com as mensalidades. Neste ano de 2016, foram sorteados 76 prêmios (racks, aparelhos de dvd, jogos de panelas, furadeiras, entre outros) totalizando mais de R$ 5 mil reais em presentes. 

Os associados interessados em pelos resultados dos sorteios devem procurar na sede do Sindicato a lista dos ganhadores e das premiações. Tomara que você  seja um deles :-) 


Fonte: Folha de Porteirinha e Região

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Distribuição de Mudas de Plantas Cítricas pelo Sindicato




Sabendo da importância que as frutas têm para a saúde e para a renda dos agricultores familiares o Sindicato distribuiu nos últimos 2 meses mais de 5 mil plantas frutíferas entre elas: Manga, laranja, tangerina.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, um indivíduo adulto deve consumir entre 3 a 5 frutas por dia. Além de saborosas as frutas cítricas, por exemplo, são ricas fontes de vitamina C, que previnem as doenças causadas por vírus, como é o caso da gripe, ou seja, elas são essenciais para a nossa vida. Com um mercado consumidor formidável, a produção de frutas se torna também uma importante fonte de renda para os agricultores, pensando nisso, o Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha doou mais uma vez mudas de plantas frutíferas para os sócios quites com as suas mensalidades, em especial mudas de plantas cítricas.
“É muito prazeroso para os diretores ver a felicidades dos sócios ao receber estas mudas. É uma questão de soberania alimentar das famílias ter em seu quintal uma fruta saudável, uma produção para o consumo e até mesmo para a comercialização”. Disse o diretor Edson Lucas.
Elton também diretor do Sindicato reforçou dizendo que “esse é um incentivo aos sócios da entidade a se manterem quites e participativos. É um incentivo a produção de qualidade”.
É também missão do Sindicato incentivar a produção agroecológica/sustentável, e desse modo todos os sócios quites com as suas mensalidades receberam duas mudas que vão complementar a que eles já têm em seu quintal, aumentando assim a sua produção.






quarta-feira, 11 de março de 2015

Educação Contextualizada e Acesso à Água no Norte de Minas

“Educar é impregnar de sentido o que fazemos a cada instante”, com esta reflexão de Paulo Freire começou no dia 10 de março o 1° Encontro Territorial do Projeto Cisterna nas Escolas na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha.
O projeto criado pela ASA (Articulação Semiárido Brasileiro), Cisternas nas Escolas surgiu para minimizar o efeito dos números do relatório Direito de Aprender, produzido em 2009 pelo Unicef, onde expõe que das 37,6 mil escolas da zona rural da região semiárida, 28,3 mil não são atendidas pela rede pública de abastecimento de água. Para diminuir essa realidade serão construídas 84 cisternas em escolas de 16 municípios do norte de Minas pela Cáritas Diocesana de Januária.
 O Encontro Territorial contou com a presença de representantes da sociedade civil e órgãos públicos, como as Secretarias de Agricultura, e Educação. O evento contribuiu para o mapeamento das escolas a serem trabalhadas a partir dos critérios de seleção tais como: acesso à água, disponibilidade do terreno para a tecnologia e prioritariamente o atendimento às comunidades tradicionais quilombolas e indígenas da região.
Um dos principais desafios encontrados é o fechamento de grande parte das escolas rurais, especialmente por causa da migração do campo para a cidade. Nesse cenário é importante fazer o debate da educação contextualizada para convivência com o Semiárido nas escolas como alternativa para permanência no campo, que é papel que o programa pretende cumprir para além do acesso água. 
O compromisso assumido neste evento pelas organizações da sociedade civil do poder público é um importante indicativo de esperança e ânimo para o sucesso da temática da educação que é tão cara para a população do Semiárido.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Raízes do Sertão: Resgate, Preservação e Incentivo à Cultura

       Como já dizia François Guizot: “A música oferece à alma uma verdadeira cultura íntima e deve fazer parte da educação do povo”. Sabendo disso a Associação Umbuzeiro junto com a FUNARTE e Ministério da Cultura se uniram para gravar o CD “Raízes do Sertão”, que foi lançado no dia 13 de fevereiro de 2015 no Centro cultural em Porteirinha.
        O CD é um registro da riqueza cultural que ainda vive nos grotões, nos pés da Serra, nos quilombos e comunidades que será levado para as próximas gerações. O trabalho é feito de composições autorais e canções herdadas dos antepassados, passadas de geração em geração, além de trazer, em cada faixa, um pouco da história de um povo que resiste e insiste em deixar a vida no Sertão Mineiro mais poética e mais cheia de alegria. 
      O projeto que foi realizado pela Associação Umbuzeiro, FUNARTE, e Ministério da Cultura, e teve parceria do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha, Prefeitura Municipal de Porteirinha, BARU Cultural, Rádios Liberdade FM e Educadora AM, é uma iniciativa da Rede de Comunicadores Populares do Semiárido Mineiro e ASA Minas. Reúne uma coletânea de batuque, folia e música popular de artistas dos municípios de Porteirinha, Pai Pedro e Serranópolis de Minas, todos da região da Serra Geral, no Norte de Minas Gerais.
       Dentre os artistas que estiveram presentes estão: Mauro Cardoso da comunidade de Bom Jesus em Porteirinha. Ele supera os desafios colocados pela vida e pela natureza e se entrega de corpo e alma à música. A deficiência visual não é obstáculo para ele que estudou no conservatório de Montes Claros, indo e voltando quase que diariamente. Ele é cantor, tocador e compositor. E no CD “Raízes do Sertão” canta a música composta por seu amigo Ezequiel, chamada Saudade.
      Iôza, um homem simples, pai de família, carroceiro, trabalhador, que sempre foi músico, fez parte da Banda Filarmônica de Porteirinha, durante muitos anos, e participou de vários festivais. No CD canta a belíssima música Lamento de um Cantador, que fala sobre a importância do Umbuzeiro na vida do povo da região.
      Liocádio e Vandi, Pai e filho que tocam e cantam juntos são da comunidade centenária de Serra Branca. Sertão e Sertanejo como gostam de ser chamados são amantes e grandes colaboradores da tradicional Festa de Senhora Sant’Ana, foi nas procissões à Santa e acompanhando as noivas que davam 3 voltas na igreja, que seu Lió aprendeu a tocar. Dentre as várias músicas compostas por seu Lió, a escolhida para ser gravada foi Veja o mundo como está.
  Estamos na Bacia do Rio São Francisco e além das águas, nossos bancos de areia, poluição ambiental também corre para o Velho Chico. E no CD “Raízes do Sertão”, também tem uma homenagem a esse importante rio. Velho Chico é uma música de uma parceria que tem dado certo: Gildo José dos Santos que é músico desde a existência, autodidata, toca todos os tipos de instrumentos e em suas mãos já passaram mais de 1000 alunos. Também é artesão de materiais recicláveis, é compositor, fabrica e conserta instrumentos e Oscarino Aguiar Cordeiro, diretor do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha, poeta dos grotões e que fez a belíssima letra da canção Velho Chico. Juntos, eles já compuseram o Hino de Porteirinha. 
     A vida na roça é muito boa, e segundo Geraldo Gomes era ainda melhor. A família sempre unida, as roupas de algodão, a água do pote de barro, e é esse o tema da música Muita beleza, composta pelo guardião da agrobiodiversidade Geraldo Gomes e cantada pelo grupo Seresteiros do Luar fundado em 1955, na comunidade do Touro, município de Serranópolis de Minas
        Tião é um compositor que retrata em suas rimas nossa cultura, natureza e identidade. Dezim, um homem simples e muito talentoso. Juntos eles formam uma dupla há quase 5 anos, e no CD tocam a música Siga em Frente.
  Outro que não poderia ficar fora desse projeto é Letão, um poeta que escreve seus versos com o coração, é carroceiro, é poeta, é tocador, é artesão, desenhista, escritor e autor da música Canto da Natureza.
A juventude esteve bem representada no CD Raízes do Sertão com a canção de Eder Borborema. Estrelas, Santos Reis, pajé, rezadeira, fim de feira, umbu, queijo, pequi, cachaça e requeijão são fragmentos da música que toca na alma. A música Sertão é meu jardim é composta por um jovem que escolheu Porteirinha para enraizar. 
      Os foliões de Reis também foram representados nessa noite especial com a presença do Grupo de Foliões do Quilombo de Campos que abrilhantaram a noite com o Reis da Romaria de Bom Jesus da Lapa e com o sapateado da catira.
       Além desses outros artistas fazem parte do CD “Raízes do Sertão”, mas não puderam comparecer ao lançamento do CD. Como é o caso do Grupo de Foliões da Várzea das Pedras, município de Pai Pedro que são autores do Reis Goiano. E do Grupo de Folia de Reis do Quilombo do Gorutuba com o Reis Batuque o meu balão subiu.
       Um artista em especial foi homenageado neste dia, Manoel Batista, diretor do Sindicato de Porteirinha, compositor, poeta, contador de histórias, e com uma índole louvável, mas que não teve a oportunidade de ver o lançamento do CD “Raízes do Sertão”, ele partiu antes. Foi lembrado como um dos artistas que lutaram por esse sonho, e em uma apresentação de vídeo feito em vida, deixou sua música ser ouvida, pelos admiradores que estavam presentes. 
      Além das apresentações dos artistas, alguns nomes importantes da cultura popular porteirinhense foram homenageados com Menção Honrosa. O evento organizado pela Associação Umbuzeiro e seus parceiros se tornou um momento histórico para os artistas e presentes. Uma noite linda, dedicada a cultura popular de um lugar lindo, como é a Serra Geral, como é o Semiárido Mineiro, como é o Semiárido Brasileiro.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Encontro Comunitário em Atrás dos Morros: Formação e Avaliação

No dia 06 de Fevereiro de 2015, aconteceu em Atrás dos Morros, no município de Pai Pedro um Encontro Comunitário. Um momento propício para formação e troca de experiências entre os agricultores da comunidade que recebeu 87 tecnologias sociais de captação de água da chuva para produção de alimentos do P1+2 (Programa Uma Terra e Duas Águas).
Além da construção das tecnologias e implantação do caráter produtivo, a entidade executora tem como meta momentos de formação como intercâmbios, encontros comunitários e encontros regionais.
O encontro foi de fundamental importância para avaliar a execução do programa na comunidade, e também serviu para incentivar a produção de alimentos, como foi ressaltado por José Marcos, coordenador do Programa:
 “O programa não se consolida com a tecnologia construída, é preciso deixar a estrutura implantada adequadamente para que a família produza alimentos de qualidade. Produzir é o objetivo.”
Como disse Albert Schweitzer “Dar o exemplo não é a melhor maneira de influenciar os outros. É a única”. Por isso dona Inês beneficiária do programa em 2009 foi convidada para dar seu testemunho em relação aos cuidados com a cisterna- calçadão e sobre seu modo de produzir, gerando assim uma troca de experiências enriquecedora.
O Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Porteirinha, como entidade executora reconhece e valoriza comunidades que se unem com objetivos comuns. Fortalecer as relações comunitárias também é alvo do programa, por isso encontros como esse são tão importantes.